Sobre uma internet contraditória e fanática

Hoje eu tive uma conversa com amigos de trabalho sobre uma youtuber da minha cidade que com apenas 15 anos de idade arrasta milhões de pessoas para shoppings e consegue um bom dinheiro com essa fama. O triste não é isso, já que muitas pessoas atualmente vivem de internet com fama ou sem fama - virou um negócio. O triste são as pessoas e suas atitudes por trás disso.

Hoje também eu assisti a esse vídeo que, de uma maneira bem engraçada, explica situações geradas por essa youtuber. Não venho aqui falar especificamente dela, ou de seu namorado que também está causando polêmica com o vídeo em que joga água em uma pessoa aleatória na rua. Não é essa a questão.

A questão é o porque eles são importantes? Porque nos deixamos influenciar por coisas banais que não mudam em nada nossas vidas e que nos tornam apenas pessoas dependentes de outras? Eu adoro a internet. Eu adoro a minha geração. Adoro fazer parte de pessoas que querem mudar o mundo e fazer as próprias coisas, mas e a geração futura? E a internet? E as pessoas na internet? 

Esse "poder" e liberdade de expressão nos tornou pessoas mesquinhas que não aceitam a opinião dos outros, que só reclamam e acham que são os donos da verdade. E a sua vida como anda? Será que essas pessoas que postam coisas naturais, frases e imagens de estilos de vida não se contradizem totalmente na vida real? Existe ainda verdade na internet? Eu sinceramente não sei a resposta. Principalmente vindo de pessoas comuns que tornam outras pessoas comuns ídolos para a vida.

É isso.
Share:

2 comentários

  1. Nossa, parabéns pra você!
    Adorei o que você falou, expressou aquilo que eu não conseguia por pra fora.
    Infelizmente temos nos importado com coisas tão banais e nem sequer sabemos o porquê.
    Como será que a próxima geração irá viver com essa internet?
    Como você disse "esse 'poder' e liberdade nos tornou pessoas mesquinhas e que não aceitam a opinião dos outros".

    https://desembuchaagorablog.wordpress.com/

    ResponderExcluir

© Depois que crescemos | All rights reserved.
by pipdig