Resenha: CSI Cyber

Hoje eu trago a resenha da série CSI Cyber, um grande sucesso e que vocês irão curtir. 
Isso pode acontecer com você...

Depois que CSI Las Vegas foi cancelado, após 15 temporadas, eis que surge CSI Cyber. Segue a mesma linha dos outros, porém apenas com crimes cibernéticos. E se você pensa que o máximo que pode acontecer contigo e com o seu computador é clicar num anúncio do Facebook e contrair um vírus, está mais do que enganado. Nunca imaginei que teria tanto medo da Internet e do meu celular, mas CSI Cyber está aí para provar que um simples clique pode pôr em risco a sua vida e das pessoas ao seu redor.

Nossa protagonista é a Agente Especial Avery Ryan, uma ex-psicóloga que teve seu computador hackeado e seus dados roubados, causando a morte de uma de suas pacientes. Suas investigações sobre o hacker que destruíra sua vida a levou até o FBI, onde ela agora trabalha combatendo criminosos sem rosto ou nome, que se escondem atrás de PI’s e redes Wi-Fi. Ela está determinada a encontrar o assassino de sua paciente, mas enquanto não encontra pistas que a levem até ele, se concentra em ajudar sua equipe (que ela comanda) em outros casos.
O primeiro episódio não me conquistou muito. Não conhecia os personagens, e acabei não gostando deles logo de cara. Porém o caso era bem interessante: rapto de bebês e venda dos mesmos pela Internet. É assustador, e parece impossível imaginar que uma babá eletrônica pode ter algo a ver com isso, mas aconteceu ali, e pode muito bem acontecer na vida real. Gostei da forma com que os episódios correm, e achei interessante o fato de Avery usar seus conhecimentos psicológicos para ver se o suspeito está mentindo, ou até mesmo para traçar um perfil dele, antes mesmo de descobrirem quem é.

Pode ser que as séries de investigação criminal já estejam cansando, afinal, existem dezenas. Mas CSI Cyber tem um quê de diferente, e não só por causa da parte cibernética. É diferente de todas as séries de investigação que eu já acompanhei, e por mais que não tenha gostado muito dos personagens até agora (não tenho um favorito, e já não gosto de Avery), vou continuar acompanhando até onde for.
Além de Avery, também trabalham na divisão de Crimes Cibernéticos o agente Elijah Mundo, Brody Nelson, um ex-black hat (hacker), Daniel Grummitz (agente especializado na área tecnológica), e Raven Ramirez (ex-black hat). Alguns dos personagens quase nem aparecem em certos episódios, mas ainda assim é impossível esquecer ou ignorar sua importância para a divisão, já que eles fazem a maior parte do trabalho, seja encontrando endereços em lugares onde é quase impossível fazê-lo, ou desvendando códigos somente olhando o html.

A série já tem treze episódios, sendo que, em cada um deles, os personagens encontram um crime diferente e mais macabro que o anterior, mas é claro que alguns vilões estão para ficar. Mal vejo a hora de rever alguns deles e ver o que Avery e Cia farão para prendê-los de uma vez por todas. Felizmente todas as nossas perguntas são respondidas no final da temporada, e eu estaria mentindo se dissesse que não quero conhecer novos vilões. Que venham outros vilões!
Enfim, até agora os personagens não são lá muita coisa, porém torço muito para que Avery deixe de ser tão medita (e pelo amor de Deus, pare de fazer drama sempre que quer dar a última palavra) e os secundários fiquem mais interessantes. Tirando isso, é uma série que vale muito a pena acompanhar, principalmente se você é um viciado em aparelhos tecnológicos. Pode ser que sua rotina mude um pouco a partir de CSI Cyber...
Share:

Nenhum comentário

Postar um comentário

© Depois que crescemos | All rights reserved.
by pipdig