Série: The Middle

The Middle é exibida no Brasil pela ABC, e está na sua 7ª temporada.
The Middle é uma série de comédia-família que se passa em Indiana, nos Estados Unidos. Vivendo numa cidadezinha no meio do nada chamada Orson, Frankie e seu marido, Mike, tentam educar os três filhos estranhos: Axl, um rapaz que acabou de entrar na adolescência e que age como tal; Sue, uma pré-adolescente otimista que faz o máximo de esportes possíveis, tentando se dar bem em algum; e Brick, um menino que ama ler e passa seus dias devorando os livros e ignorando as pessoas.
Mike é um homem mal humorado que trabalha numa escavadora, onde passa grande parte de seu dia. Ele sempre tem a palavra final, mas quando se trata de fazer o que deixaria Frankie feliz, mesmo não sendo o que ele quer, Mike sempre dá um jeitinho. Ele não acredita muito no lema “tudo pela família”, principalmente por não falar e ver muito seu pai e seu irmão, porém, Mike sempre faz um sacrifício pela esposa.

Frankie é a nossa protagonista, e é ela quem nos apresenta sua história. Trabalha numa revendedora de carros, e é de longe a pior funcionária do lugar, mas ela não se importa muito com isso. A primeira coisa de sua lista é a família, e por ela, Frankie faz de tudo. Nem sempre seus esforços dão certo, e, quando dão, ninguém parece perceber.
Axl é um adolescente chato e ranzinza que põe a culpa de tudo o que acontece em sua vida em Frankie, e está sempre arranjando novas formas de infernizar a vida de Sue. Ele tem uma banda, porém, eles não são nem um pouco talentosos, e suas ideias de ganhar dinheiro quase nunca dão certo. Mas vi Axl crescer e amadurecer durante os episódios, então acredito que ele ainda encontrará seu caminho, e levará culpa pelas coisas que fez, ao invés de jogar na mãe.
Sue é a fracassada da família. Já tentou entrar em todos os tipos de grupos de esportes que encontrou pela frente, mas se deu mal em todos. Ela não é boa, e sua família toda sabe disso, porém, Sue não é uma pessoa que desiste, e seu otimismo me fez gostar bastante dela. É claro que, às vezes, Sue é um pouco sonsa e boba (já namorou um rapaz gay que definitivamente era gay, mas ela não sabia disso), mas ela torna-se uma pessoa maravilhosa ao longo das temporadas, e eu definitivamente gosto dela.
Brick é, de longe, o meu favorito. Todavia, eu acho que vocês já sabiam disso. Ele devora livros como eu jamais vi alguém fazer, e olhe que consigo ler até três de 300 páginas em um dia só. Porém, não é só por isso que eu gosto de Brick. Além de leitor compulsivo, ele é MUITO inteligente, seus argumentos são indiscutíveis, e eu ainda não sei como os Heck conseguiram alguém tão inteligente na família. Creio que a inteligência de Sue e Axl ficou toda para Brick, que nem mesmo fora planejado.
Infelizmente os episódios são curtinhos, mas rendem boas risadas e, de vez em quando, alguma lição de vida, mas nada muito chato. É claro que os personagens (principalmente os filhos) ainda têm muito o que aprender, mas dá para perceber um amadurecimento em cada um deles em relação ao início da série. Os Heck não são uma família muito comum, nem mesmo daquelas famílias ricas que vemos na TV. Eles são pobres, por mais que tenham uma casa relativamente grande, carros e etc. Seus problemas financeiros e o jeito que eles lidam com isso são umas das partes mais divertidas da série, e o melhor de tudo, é que eles não se importam tanto em estar no vermelho, contanto que estejam todos juntos.
Não tinha expectativa alguma para essa série, comecei a acompanhar mesmo por curiosidade, pois tinha visto algumas cenas na televisão e achei que valia a pena procurar conhecer. Gostei muito da primeira temporada, e mais ainda das que vieram a seguir. The Middle é o tipo de série que só melhora com o tempo, e agora, já na 7ª temporada, anseio por novos episódios!

Para quem gosta de comédias leves e sem muito drama, The Middle é uma ótima aposta, principalmente por ser tão realista. Estou ansiosa para ver o que mais essa família vai aprontar, e quando Sue finalmente vai ser boa em alguma coisa.
Share:

Nenhum comentário

Postar um comentário

© Depois que crescemos | All rights reserved.
by pipdig