Resenha: iZombie

iZombie é uma série de TV baseada nos quadrinhos de Chris Roberson e Michael Alfred sob o selo Vertigo. Transmitida pela CW, a série teve seu primeiro episódio exibido em 17 de março de 2015, com a segunda temporada já confirmada.

Você é o que você come

Liv Moore tem uma carreira impecável na medicina, um noivo perfeito com quem pretende viver o resto de sua vida, e pouco tempo para festejar. Até que é convidada para uma festa em barcos, e por insistência de Major, seu noivo, ela acaba indo, afinal, era só uma festa, certo? Errado! Um tipo de ataque zumbi acontece no meio da música alta, e Liv acaba sendo atacada por um zumbi que a arranha, e quando acorda, ela está dentro de um saco, indo direto para o necrotério.
Ela então vira um tipo de mulher albina, os cabelos e pele muito pálidos, olheiras escuras e uma fome insaciável por cérebros. Temendo colocar a vida de Major em risco, ela termina o noivado, sem mais explicações, deixando seus amigos e família pasmos com sua decisão, e eles ficam ainda mais assustados quando ela começa a trabalhar no necrotério da polícia de Seattle, jogando sua carreira promissora no lixo ao dissecar corpos. E comer cérebros. Mas é claro que ela não contou para ninguém sobre isso... Mas as pessoas podem descobrir.
Seu chefe, o Dr. Ravi Chakrabarti é o primeiro a descobrir sobre seu novo cardápio, mas ele não berra nem sai correndo, chamando a polícia. Ravi fica impressionado com a nova aparência da moça, e começa a fazer exames para tentar descobrir o que aconteceu com o organismo dela, e a partir disso, encontrar uma cura. Porém ele sabe que Liv pode não ser a única zumbi solta por aí...
Com a ajuda de seu chefe, fica mais fácil para Liv se alimentar, já que ela não precisa mais roubar pedaços de cérebros escondidos para misturá-los com seus deliciosos miojos com pimenta. Ela descobre então que, quando se alimenta de um cérebro, passa a "receber" as memórias do falecido, e sempre que isso acontece, é porque a tal pessoa foi assassinada. Temos então uma mistura de zumbi justiceira, que com a ajuda do detetive Clive Babineaux, ela começa a desvendar assassinatos.
Por enquanto, Ravi é a única pessoa que sabe da condição de Liv, tirando alguns outros zumbis que vão aparecendo aos poucos, mas não consigo imaginar quanto tempo vai levar para que mais alguém descubra, e penso que Clive e Major estão mais próximos da verdade. Para Clive, Liv é um tipo de médium que tem visões sobre os assassinatos (não está muito errado), e para Major, ela precisou dar uma mudada geral na vida, e por isso o chutou, mas isso não significa que ele irá se afastar.
Quando soube de IZombie, não fiquei muito animada para assistir, por mais que goste de séries sobre zumbis. Achei a premissa um pouco boba, e enrolei bastante antes de começar a acompanhar, e imaginem a minha surpresa. É uma série sem todo aquele sangue e desmembramento exagerado que encontramos por aí, é divertida, é romântica e com personagens incríveis. Não tinha gostado muito de Liv no início, ela tinha terminado com Major e parecia não querer vê-lo seguir em frente enquanto ela não o fizesse, mas aos poucos fui gostando cada vez mais de sua personalidade, principalmente quando ela passava a adquirir certas habilidades das pessoas que morreram, e cujos cérebros ela consumiu.
Major também não me pareceu muita coisa no começo. O típico noivo perfeito com quem a mocinha se imagina tendo uma vida perfeita, daqueles de quem os pais gostam e etc. Mas ele não é, nem de longe, tão superficial quanto parece. Determinado, Major começa a investigar alguns desaparecimentos que andam acontecendo na cidade, principalmente na pista de skate onde seus amigos desapareceram. Esses desaparecimentos acontecem desde o acidente na festa do barco (que, para os "não zumbis", foi uma festa onde as pessoas mataram umas às outras), e ele pode não saber, mas tudo o que está acontecendo tem a ver com as transformações que sua noiva também sofreu.

O que eu mais gostei nessa série, foi que ela não é exagerada, e a protagonista tem sua própria personalidade. Quase dá para esquecer que Liv é um zumbi, de tão humana que parece. Ela se importa com as pessoas (ok, nem sempre), e a decisão que tomou quando se transformou, em deixar tudo para trás, temendo machucar as pessoas que ama, não é qualquer um que tomaria. É claro que, assim como todas as protagonistas existentes, às vezes ela é um pouco chatinha e faz m*rda (principalmente no ep. 9, quem assistiu sabe do que eu estou falando), mas é impossível não gostar dela.
Destaque para a introdução da série, que é em desenhos de HQ, mostrando a vida de Liv, desde a festa até o momento em que começa a trabalhar com Clive nos assassinatos, e Ravi na cura contra o zumbismo. Os HQ’s também aparecem em cenas bombásticas, quando algo surpreendente vai acontecer, e servem mais para deixar a gente curioso sobre o rumo que a trama vai tomar. Achei isso muito criativo.
Estou bastante animada para continuar acompanhando iZombie, é uma daquelas séries que você economiza episódios para não acabar logo, além de ter personagens maravilhosos e uma premissa incrível. Para quem estava procurando uma série de zumbis sem sangue sendo esguichado para todos os lados, iZombie é essa série. E com uma pitada extra de bom humor.

Share:

Nenhum comentário

Postar um comentário

© Depois que crescemos | All rights reserved.
by pipdig