Resenha: In The Flesh‏

In The Flesh é uma série britânica produzida pela BBC que começou a ser exibida na BBC Three, em 17 de março de 2013. A Série foi criada e escrita por Dominic Mitchell.
Sou um portador da SFP e não é minha culpa.

A primeira coisa que me chamou a atenção nessa série foi o fato de ser inglesa, normalmente as séries inglesas não conseguem ficar ao ar por muito tempo. Outra coisa que eu achei bem interessante em In The Flesh foi que a série mostra o mundo após um apocalipse zumbi, quando um tratamento já foi encontrado e os zumbis (chamados de parcialmente mortos) estão voltando às comunidades, onde passam a viver como pessoas normais.
Chamado de Renascimento, em 2009 todas as pessoas que morreram naquele ano se levantaram de seus túmulos e começaram a caçar cérebros, e diferente de The Walking Dead e Z Nation, aqui eles realmente comem o cérebro, não ficam só arrancando membros e jogando sangue para todos os lados. Para evitar que ainda mais pessoas morressem, foi criado o HVF, um grupo de humanos que portam armas e fazem patrulhas pelas cidades.
Nosso protagonista é Kieran Walker, um rapaz que se suicidou após descobrir que seu amigo havia morrido no Afeganistão e que foi uma das muitas pessoas a renascerem em Roarton. Ele passou pelo tratamento em Norfolk e agora está voltando para casa, usando lentes de contato para esconder suas pupilas brancas e maquiagem para a pele pálida. Ao chegar em casa, Kieran descobre que sua irmã mais nova, Jem, faz parte da HVF (Força Voluntária Humana), e que muitas das pessoas que vivem ali não aceitam o fato de "mortos-vivos" estarem voltando para casa como se nada tivesse acontecido.
Kieran é um personagem incrível. Ele está disposto a aceitar a segunda chance que recebeu para colocar sua vida nos trilhos. Ele é um rapaz triste, e de vez em quando tem flashbacks de quando ainda não tomava os medicamentos e atacava pessoas. Ele não imaginava que encontraria tanto ódio no vilarejo onde nasceu e cresceu, e além de precisar lidar com tantas pessoas olhando-o com desprezo e nojo, Kieran ainda precisa enfrentar seu medo e aceitar que estava fora de si quanto matou pessoas.
A primeira temporada tem apenas três episódios, a menor temporada que eu já vi, e a segunda está com seis, não sei se haverão mais ou se uma terceira vem por aí. Os episódios duram cerca de uma hora e, além do drama e romance, há também muita ação. In The Flesh foi uma surpresa, não imaginava que seria uma série tão boa com personagens tão marcantes. Os portadores da SFP (Síndrome do Falecimento Parcial) parecem mais humanos que os próprios humanos, que não perdem tempo em julgar e querer mandar todo mundo para a forca, acreditando que somente eles são puros e os outros são todos monstros que devem ser mortos. O protagonista é o mocinho. Solitário, confuso e doce, e o vilão até agora eu não sei quem é, afinal, todos os personagens da série têm cara de vilão.

Para quem gosta de zumbis (não aquela matança toda e sangue espichando pela tela) é uma boa aposta, e para os românticos/dramáticos de plantão, é melhor ainda. In The Flesh tem tudo o que uma série precisa para ser boa e um pouco mais. Não sei se a série foi cancelada, mas estou com os dedos cruzados torcendo para que tenha sido renovada, pois se tornou uma das minhas favoritas.
Share:

Nenhum comentário

Postar um comentário

© Depois que crescemos | All rights reserved.
by pipdig