Resenha: Gotham

Hoje vou falar um pouco de Gotham, uma série de TV baseada nos personagens da HQ de Batman, ela é transmitida no Brasil pela Warner Channel.
Séries de investigações são um dos meus gêneros favoritos, e quando vi que Gotham seria lançada e seu protagonista era um detetive, fiquei bastante curiosa para conhecê-la. Essa curiosidade só aumentou quando vi que Bruce Wayne também aparecia, assim como a história de muitos dos vilões de Batman. O pouco que sei de Batman é o que vi na Liga da Justiça e no filme do Batman, então fiquei um pouco perdida no começo da série, já que não sabia quem era James Gordon.

James Gordon é o mais novo detetive do Departamento de Polícia de Gotham, e seu primeiro trabalho é descobrir quem matou Thomas e Martha Wayne. É um caso difícil e a única testemunha é Bruce, o filho de doze anos do casal que presenciou o crime e sobreviveu.

Com a ajuda de seu parceiro, o detetive Harvey Bullock, James vai entender aos poucos que Gotham é recheada de crimes bizarros e corruptos, uma cidade suja não só de aparência, mas também de caráter. Ele está determinado a colocar todo e qualquer criminoso atrás das grades e limpar a cidade, mas a tarefa não será nem um pouco fácil, principalmente depois de prometer ao pequeno Bruce que iria encontrar os assassinos de seus pais. Mas por onde começar?
James era um policial inocente no início, um homem corajoso e honesto que não sabia direito como a cidade funcionava, mas com o tempo ele foi perdendo essa inocência e percebeu que precisaria ser mais cruel e rígido com os outros se quisesse mudar alguma coisa em Gotham e solucionar crimes, porém nunca deixou sua coragem e determinação de lado. Quando começou a trabalhar com Harvey, ele era o policial bonzinho, porém esse papel foi se invertendo ao longo dos episódios, e confesso que morria de medo de que ele se transformasse completamente, deixando para trás o herói incrível no qual se tornou.
Harvey é incrivelmente engraçado, não só pelas coisas que fala, mas também por seu jeito de agir. Ele já tem certa idade, porém é um ótimo detetive e sua agilidade não parece ter diminuído com o tempo. Assim como alguns policiais, ele não se importa se prendeu o cara certo contanto que tenha fechado o caso, então quando James decide que irá continuar com o caso dos Wayne, ele fica de fora. Harvey conhece a cidade e é ele quem apresenta James à Mooney Fish, uma mulher poderosa e ambiciosa. Ela é a vilã e ao mesmo tempo vítima, trabalha para um dos dois homens mais poderosos da cidade e ao mesmo tempo tenta derrubá-lo, não temendo ou desistindo nem mesmo quando todos os seus homens já se foram.
Um personagem que se destaca muito é Oswald Cobblepot, também conhecido como Pinguim. Ele é um pouco assustador e psicótico, mas é impossível odiá-lo. Ele acredita ter uma conexão com Gordon e acha que eles são amigos. Pinguim ops, Oswald trabalhava para Fish no início, ele era um servo que fazia tudo o que sua patroa mandava, mas sua ambição falou mais alto e desde então ele vem trocando de lados. Até agora não sei exatamente para quem ele trabalha, mas acredito que trabalhe para si mesmo, apenas usando os outros para chegar ao topo.
Uma coisa impressionante nessa série são os assassinatos. São tão bizarros que chegam a ser engraçados, principalmente quando as pessoas são presas à balões gigantes e voam sobre a cidade. Os efeitos também são incríveis, tudo tão escuro, sujo, poeirento e decadente, tão realista que eu sentia como se realmente tivesse voltado no tempo.

Gotham é uma série viciante que te pega já nos primeiros episódios, confesso que não estava 100% confiante de que acabaria gostando dela, mas fui pega de surpresa quando os personagens me encantaram e eu não conseguia mais parar de assistir. Foi renovada para a segunda temporada, e estou muito curiosa E ansiosa para saber o que acontecerá depois, tanto com Gordon quanto com Bruce, que mesmo pequeno já é extraordinariamente inteligente. Quem gosta de mistérios e assassinos completamente loucos com certeza vai gostar de Gotham, principalmente se for fã de Batman.

Share:

Nenhum comentário

Postar um comentário

© Depois que crescemos | All rights reserved.
by pipdig