Resenha: My Mad Fat Diary‏

Hoje trago uma série muito fofa e divertida, que vai encantar você!
Rachel Earl nunca gostou de si mesma, ela sempre se achou gorda e feia, e quando foi parar num hospital psiquiátrico após machucar a si própria, ela percebeu que realmente se odiava. Sua mãe inventou que ela tinha ido passar um tempo na França, para que não ficassem comentando que a menina tinha enlouquecido de vez. Ela tinha 16 anos e ficara internada por meses por se mutilar, não é uma coisa que você quer que os outros saibam...

Ao voltar para casa, ela reencontra Chloe, uma amiga de infância que, diferente dela, sempre fora linda e magra. Chloe estava com um novo grupo de amigos, e fez com que Rae também se enturmasse com eles. Ela nunca imaginou que faria parte de um grupo tão unido e divertido como aquele. Chopp era o mais bagunceiro, tinha abandonado a escola e era o que encontrava as festas e ingressos para shows; Finn era o quieto rabugento, que mal falava e parecia não suportar Rae; Izzy era fofa e um pouco sem noção; Archie era lindo e de cara já conquistou Rachel; e por fim Chloe, melhor amiga de Rachel.
Rachel passa por tanta coisa que eu não sei como ela ainda conseguia ficar de pé e fazer piadas. Ela é uma personagem bem humorada e tinha uma paixão pelo Oasis, uma banda britânica maravilhosa ♥ Não conseguia parar de ouvir as músicas deles quando a série acabou. Além de fazer terapia toda semana, ela ainda tinha que agüentar o novo namorado de sua mãe, que mal falava inglês e estava fugindo da imigração. Sem contar que as duas viviam discutindo. Rachel é uma das poucas personagens realistas que eu encontrei em séries, ela tem problemas de verdade, e mesmo que você não passe por tudo o que ela passou, com alguma coisa você vai se identificar. Ela é a tão conhecida adolescente que espera encontrar um amor verdadeiro, e quer se enturmar. Tem problemas de auto estima e não consegue entender por que as pessoas gostam dela. É aquele tipo de personagem que você tem vontade de abraçar e dizer que tudo vai ficar bem e que as coisas vão melhorar.
A série se passa nos anos noventa, e foi inspirada na vida da própria Rachel Earl, que durante sua adolescência, escrevia diários onde contava tudo o que estava acontecendo. A protagonista narra a série e, algumas vezes, vários rabiscos e palavras aparecem na tela, como quando ela está com raiva de alguém ou quando sabe que vai surtar. Gostei muito de Rae, mas também quis estapeá-la algumas vezes. Ela é a típica adolescente rebelde que pensa que pode fazer tudo o que quiser porque já tem dezesseis anos, sendo assim, desrespeita sua mãe e faz algumas borradas aqui e ali, se arrependendo depois. A série retrata maravilhosamente como é ser adolescente, e por mais que Rae tenha me irritado um pouquinho, ela ainda é uma personagem incrível!

Uma das coisas que eu mais gostei nessa série foi ver a amizade da gangue. Eles sempre estavam lá um pelo outro, até mesmo quando as férias acabaram e cada um foi para um caminho, ou quando alguma coisa ruim acontecia e o grupo se separava. Essas partes partiam o meu coração e me deixavam realmente triste.
A trilha sonora dessa série é extremamente perfeita! Como se já não bastasse tocar Oasis nas cenas mais emocionantes, toca também Weezer ♥ Acho que nunca desejei tanto ter nascido um pouco antes e curtido a época em que todo mundo gostava dessas bandas incríveis, *-* sem contar com os vinis e os carros antigos, coisas que eu sempre gostei.

Fiquei tão viciada em My Mad Fat Diary, que eu não queria assistir. Eu olhava para os episódios que faltavam e pensava ai não, vai acabar! E já imaginava que ficaria triste com o desfecho da segunda temporada, sem saber se haveria ou não uma terceira. (haverá sim uma terceira) É a minha série favorita ever, e por pouco eu não começo a assistir tudo de novo. Em menos de três dias eu já tinha visto todos os episódios, acompanhado todas as confusões e os problemas da vida de Rae e shippado diversos casais, ficando muito feliz com os que realmente ficaram juntos.
É uma série que vale muuito a pena acompanhar. É divertida, é emocionante, é fofa e é tudo de bom. Todos os personagens são incríveis, é impossível não gostar de pelo menos um deles, nem que seja o Kester, terapeuta super gente boa da Rae. Prepare a pipoca e os lencinhos \0/

Share:

Nenhum comentário

Postar um comentário

© Depois que crescemos | All rights reserved.
by pipdig