Resenha: Halo

Olá pessoal. Como vocês estão? Mais uma semana se passou e eu estou aqui de novo. Dessa vez para falar sobre algo que me encanta: anjos.

Eu não sei vocês, mas eu já li vários livros sobre anjos, e em nenhum deles, o anjo era uma menina e é isso que ocorre em Halo, da autora Alexandra Adornetto.

A história se passa em uma pequena cidade chamada Venus Cove, e três anjos são enviados para trazer paz e bondade para a cidade. Ivy, uma serafim com poderes de cura, Gabriel, o herói de Deus e Bethany, a mais inexperiente e nova do grupo.
Os três, já na Terra, passam o começo do livro tentando se adaptar à nova forma humana, tentando fazer as tarefas domésticas mais simples. Tentar imaginar uma adolescente que se esquece de atividades triviais, é muito interessante (nos faz pensar em como somos frágeis). Após o período de adaptação, chega a hora de colocar a missão, que lhes foram dada, em prática e então, Bethany parte para a escola.
Entre suas tentativas que trazer o bem para seu ambiente, Beth conhece Xavier, um adolescente comum ( só porque ele não é anjo, mas de comum ele não tem nada rs) e tudo começa a ter outro sentido.

Xavier é o garoto popular da escola, mas não do tipo que a gente pega raiva por ser exibido, ou um pamonha sabe? que só pensa em si mesmo. Não. Xavier é bondoso, ajuda os outros, é inteligente e ainda por cima é bonito. Preciso dizer que Bethany se apaixona por ele? Acho que não.
Mas, como vocês já devem ter imaginado... amor entre anjos e humanos são proibidos. Bethany, por nunca ter vindo à Terra anteriormente como seus irmão Ivy e Gabriel, se encontra mais vulnerável às emoções, ou seja, mesmo sendo anjo (feitos para não sentir emoções como nós humanos) Beth é diferente e acaba sentindo como uma verdadeira adolescente, como nós sentimos quando estamos apaixonadas.

O livro tem um ritmo gostoso. A autora buscou descrever os lugares, as pessoas, os acontecimentos e isso que eu achei cativante. Você faz as cenas na sua cabeça, com detalhes, como se você estivesse vendo ou vivendo cada momento. 

Mas, como nada pode ser perfeito, chega algo, ou melhor, alguém, para abalar tudo e deixar a vida ainda mais complicada. E esse alguém tem nome e sobrenome: Jake Thorn. Bad boy, filho do demônio e interessado na nossa anjinha, desculpa gente, mas meu caso com o Jake é tipo amor e ódio, rs. 
A trilogia escrita pela australiana já foi inteiramente lançada e em breve vou resenhar para vocês, Hades (o segundo livro) e Heaven ( o último da trilogia).

Meu amor por esse livro, além da história, é claro, veio pela capa. É muito amor gente, e ainda com páginas amareladas (as mais perfeitas, claro) com ótima diagramação e com um peso levinho, porque ninguém merece um livro de mais de 400 páginas pesado e com diagramação péssima que você precisa se desdobrar toda para ler os inícios e os finais das linhas, não é mesmo??
Bom, espero que gostem da indicação e se engana quem acha que é apenas uma história de amor. Não, tem uma lição de vida, sabe? Faz a gente parar e pensar nas coisas que damos ou deveríamos dar valor. 

Espero que tenham gostado e que façam uma ótima leitura. Tenham uma excelente semana. Beijinhos, a gente se vê semana que vem.  ​
Share:

Nenhum comentário

Postar um comentário

© Depois que crescemos | All rights reserved.
by pipdig