Fim do mundo quantas vezes?

Com o passar dos anos as pessoas ficam sem nenhuma expectativa para o futuro ou sem nada para fazer e precisam de um empurrãozinho, assim surge boatos de fim do mundo e coisas apocalípticas. Se você acredita, sinto muito, mas não foi desta vez que o mundo deixou de existir. Essas supostas previsões só fazem com que pessoas fiquem desesperadas ou queiram "aproveitar" o fim do mundo e da nossa existência. O que ainda não aconteceu! Pesquisei bastante sobre isso e trago pra vocês algumas previsões apocalípticas que não aconteceram.

Montano, 430 d.C.
Montano foi um herege no início do cristianismo, que previa um iminente fim dos tempos. Junto com duas profetisas, Montano afirmava ser a encarnação do Espírito Santo e os três começaram a pregar um terceiro testamento. As doutrinas de Montano difundiram-se rapidamente, causando confusão e discórdia dentro da igreja cristã primitiva. Tertuliano, um famoso escritor cristão, rejeitou o cristianismo convencional, convertendo-se para o montanismo. Montano foi finalmente condenado no Concílio de Éfeso, em 431 d.C. Montano ensinava que a Turquia seria a "Nova Jerusalém", e que todo o cristianismo se estabeleceria lá, antes do julgamento final. 

Bispo de Toledo, 793 d.C.
Elipandus, bispo de Toledo, descreveu um breve ataque de pânico do fim dos tempos que aconteceu na véspera da Páscoa de 793 d.C. De acordo com Elipandus, o  monge espanhol Beatus de Liébana profetizou o fim do mundo para aquele dia, na presença de uma multidão de pessoas. As pessoas, pensando que o mundo acabaria naquela noite, entraram em pânico e jejuaram durante a noite até o amanhecer. Vendo que o mundo não tinha terminado e sentindo fome, Hordonius, um dos jejuadores, brincou: "Vamos comer e beber, para que, se morrermos, pelo menos estaremos saciados."

Inundação em Londres, 1524.
O fim ocorreria por uma inundação, a partir de Londres, em 01 de fevereiro de 1524, de acordo com os cálculos que alguns astrólogos londrinos haviam feito em junho do ano anterior. Cerca de 20.000 pessoas abandonaram suas casas, e um clérigo estocou comida e água numa fortaleza que ele mesmo construiu. Na data prevista, nem uma mísera gota de chuva caiu em Londres.

Willian Bell, 1761.
O extremista religioso William Bell afirmou que o mundo seria destruído por um terremoto em 5 de abril de 1761. Uma vez que houve um terremoto em 08 de fevereiro e outro em 8 de março, ele argumentou que o mundo deveria acabar dentro de 28 dias. Mais uma vez, os londrinos se reuniram em barcos no Tâmisa ou fugiram para as colinas. Quando a previsão não se tornou realidade, Bell foi jogado rapidamente em Bedlam, um famoso manicômio de Londres.

Shakers e Charles Wesley, 1794.
Charles Wesley, um dos fundadores da igreja Metodista, acreditava que o mundo acabaria em 1794. Esta previsão concordava com a dos Shakers, que também previram o fim para aquele ano. Como o mundo continuou, o irmão de Charles, John fez mais tarde outra previsão do fim dos tempos. John previu que 1836 seria o ano em que a grande besta viria à Terra, marcando o início do fim.

Joanna Southcott, 1814.
Joanna Southcott era uma auto-proclamada mística inglesa, nascida em 1750. Ela era originalmente metodista, mas se convenceu de que tinha poderes sobrenaturais e declarou ser a mulher citada em Apocalipse 12: 1-6, na versão do Rei Jaime: "E apareceu um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas ". Joanna previu que ela daria à luz ao Messias – iniciando o fim do mundo em 19 de Outubro de 1814. O mundo não acabou naquela data, mas dois meses depois, acabou para Joanna, que morreu. Seus seguidores mantiveram o corpo fora da sepultura por algum tempo, na esperança de que ela se erguesse dos mortos. 

Cometa Haley, 1910.
Mesmo que o cometa Haley houvesse sido visível muitas vezes antes, sem mortes em massa ou qualquer outro acontecimento extraordinário, a passagem do cometa em 18 de maio de 1910 foi prevista como uma ameaça mortal para a humanidade  por causa de um suposto gás venenoso proveniente de sua cauda. Não é apenas a religião que pode causar pânico apocalíptico. Esta pode ter sido a primeira vez que a ciência causou esse tipo de medo coletivo.

Albert Porta, 1919.
O respeitado meteorologista Albert Porta previu que em 17 de dezembro de 1919 uma conjunção de seis planetas iria "causar uma corrente magnética que perfuraria o sol, causando grandes explosões de gás flamejante que, eventualmente, engoliriam a Terra." Essa previsão levou a alguns incidentes violentos e uns poucos suicídios. Ela também causou a demissão de Albert. De um meteorologista respeitado ele acabou trabalhando para um jornal local, escrevendo a coluna do tempo.

Armagedom, 1999.
Nostradamus, o vidente mais famoso de todos os tempos, previu julho de 1999 como o mês escolhido do Armagedom, seria a época em que o "grande rei do terror" desceria do céu. Quando isso não se tornou realidade, outro fim era preciso, começaram a se espalhar boatos de que a sonda espacial Cassini cairia na Terra. A sonda Cassini estava cheia de combustível radioativo. Se este fosse derramado num acidente, cumpriria a previsão em Apocalipse 8:11: "E o nome da estrela era Absinto, e a terça parte das águas tornou-se em absinto, e muitos homens morreram das águas, porque se tornaram amargas". E, claro, ninguém pode esquecer os anos que antecederam a 2000, em que alarmistas em todo o mundo previam uma catástrofe devido ao bug do milênio.

Calendário Maia, 2012.
Finalmente chegamos em 21 de dezembro de 2012. Calendário maia, planeta Nibiru, radiação solar e tantas outras catástrofes previstas para esse dia e nada. 

Ainda estamos aqui, ouvindo esses boatos e supostas comprovações de quando o mundo irá acabar. Ele vai acabar um dia. Mas ninguém sabe. O que você acha sobre isso? 
Share:

Nenhum comentário

Postar um comentário

© Depois que crescemos | All rights reserved.
by pipdig